Superando a dependência química – histórias de acolhidos na Fazenda O Caminho – Parte I

3 de julho de 2018 - 14:16 # # #

Emmanoel Montenegro - Assessoria de Comunicação - (85) 3238.5090
comunicacao@spd.ce.gov.br

A reinserção social e profissional de pessoas em tratamento de uso abusivo de álcool e outras drogas é uma etapa importante na caminhada para superar a dependência química e pode ser determinante na sua recuperação integral. Este é um dos eixos de atuação da Secretaria Especial de Políticas sobre Drogas (SPD), que oferta cursos profissionalizantes gratuitos para acolhidos em Comunidades Terapêuticas (CTs) no Ceará, por meio dos projetos Novas Escolhas e Criando Oportunidades. Este último, é implementado em parceria com a Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS) do Estado. Em 2017, foram beneficiados 160 acolhidos em CTs que prestam serviço à SPD.

Na Fazenda O Caminho, localizada em Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), foram ofertados os cursos de pintura e textura de paredes, pelo Criando Oportunidades; e mecânico de moto e doces e salgados, pelo Novas Escolhas. Foram priorizados ofícios que hoje apresentam maior demanda por profissionais especializados para o mercado de trabalho.

Ricardo Freitas, 29 anos, foi um dos capacitados. Natural do Piauí, o professor de história chegou à Fazenda há cerca de nove meses, depois de buscar ajuda para vencer a dependência química no Centro de Referência sobre Drogas (CRD) Fortaleza, localizado na sede da SPD, no bairro Jacarecanga. “Fomos recebidos por um psicólogo. Depois, passamos pelo CAPS da Barra do Ceará, que nos indicou a Fazenda O Caminho”, conta Ricardo, que foi agraciado com dois cursos do projeto Novas Escolhas: mecânico de motos e de doces e salgados. “Um curso sempre é de muita valia. E um curso dentro desse processo de reinserção, em que você vai precisar de um pós, é muito significativo, independente da área que se venha a atuar”. Para Ricardo, os cursos foram um acréscimo em sua vida. “No de mecânico, mesmo que possivelmente não se abra uma oportunidade nessa área, o conhecimento pessoal é muito relevante. E o de doces e salgados é um curso prático que você pode fazer em casa. Posso associar com a outra profissão que já tenho lá fora e, a partir disso, ele pode me fornecer um aumento de renda, já que, em diversos casos, a gente chega aqui em dificuldade financeira. Muitas vezes, perdemos os empregos. Então, o curso vem como uma mão na roda. Vem nos ajudar dentro desse processo de recuperação”.

Jaclecio Queiroz dos Santos, 30 anos, aprendeu técnicas modernas de pintura e textura em paredes no curso ofertado pelo Criando Oportunidades. “Eu abracei, agarrei com todo amor e carinho essa oportunidade. Esse curso me abriu outras portas. Hoje, posso ir na casa de um familiar e criar um modelo, uma pintura”. Durante dois meses, Jaclecio e outros 19 acolhidos na Fazenda tiveram aulas teóricas e práticas de segunda a sexta-feira, das 8 horas ao meio-dia. “Pintamos a fazenda toda. Esse curso foi uma coisa maravilhosa que, hoje, tem um grande valor na minha vida”. Ao terminar seu tratamento, Jaclecio foi contratado pela CT para exercer a função de monitor. “Ministro reuniões voltadas para a dependência, prevenção de recaídas, faço monitoramento nas atividades práticas, acolhimento na chegada”, fala o caucaiense, que vive na Fazenda há um ano e meio e visita os pais e a filha, que vivem no Cumbuco, a cada quinze dias. “Não troco esse lugar por nada. Amo estar aqui”.

Fazenda O Caminho

Fundada em junho de 2010, a Comunidade Terapêutica Fazenda O Caminho trabalha na recuperação e reabilitação psicossocial de pessoas usuárias de drogas e álcool, com altos índices de recuperação, como destaca o diretor da CT, Raildro Brandão. “Nosso índice é 14%. Por aqui, já passaram 823 pessoas e, dessas, consideramos que 113 estão recuperadas realmente”. Na instituição, a saúde do dependente químico é tratada em sua totalidade: mental, física e espiritual. O plano de trabalho inclui acompanhamento psicológico, atividades práticas inclusivas, com tarefas comuns de uma casa; oficinas, palestras temáticas, reuniões de grupos, opções de lazer, apoio a reinserção social, dentre outros. Os programas de atendimento ainda envolvem os familiares dos dependentes. “De 15 em 15 dias, há o encontro familiar, um momento de comunhão com todos. Os familiares chegam às 10 horas, almoçam com a gente, ficam até às 16horas”, fala Raildro, conhecido entre os acolhidos também por “Papai Brandão”, pela forma fraterna com que trata a todos sem distinção. Ao ajudar o próximo, ele diz ter encontrado a realização pessoal e profissional. “Trabalhamos com dedicação, porque existe o amor acima de tudo. A gente ama isso aqui”.